COMO RECONHECER UM CRENTE/EVANGÉLICO?

Este é o nome de um artigo postado em blog brasileiro. Veja o que dizem de suas filhas e de vocês, irmãos e irmãs evangélicos. Conteúdo EXTREMAMENTE OFENSIVO, impróprio para menores de idade. Fica a pergunta: ONDE ESTÃO AS AUTORIDADES DESTE PAÍS? Maiores de idade cliquem aqui.

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Dra.Marisa Lobo faz alerta sobre “ideologia de gênero” no Plano Nacional de Educação

Marisa Lobo faz alerta sobre “ideologia de gênero” no Plano Nacional de Educação

Por Dan Martins em 22 de abril de 2014 

Marisa Lobo faz alerta sobre “ideologia de gênero” no Plano Nacional de Educação A psicóloga Marisa Lobo tem feito alertas constantes a respeito das discussões em torno do novo Plano Nacional da Educação (PNE). Entre as criticas feitas pela psicóloga ao documento que ditará as normas a serem seguidas pelos educadores de todo o país pelos próximos dez anos, está a de que ele está “contaminado” com ideologia de gênero que, segundo ela, serviria para reorientar a sociedade.
Em nota sobre o tema enviada à redação do Gospel+, Marisa Lobo faz duras críticas à presença dessa ideologia no PNE, e afirma que em países que foram “dominados” pela ideologia de gênero a família ter sofrido sérios prejuízos. Como exemplo, ela afirma que na Suécia os pais estão isolados de suas crianças.
- A vitória da ideologia de gênero significaria a permissão de toda perversão sexual (incluindo o incesto e a pedofilia), a incriminação de qualquer oposição ao homossexualismo (crime de “homofobia”), a perda do controle dos pais sobre a educação dos filhos, a extinção da família e a transformação da sociedade em uma massa informe, apta a ser dominada por regimes totalitários – afirma a psicóloga.
- Muitos brasileiros ainda não entenderam o perigo da ideologia de gênero. Políticos querendo ser politicamente corretos em época de eleição estão condenando o Brasil a uma farsa que vai promover a maior guerra de gerações jamais vista. E aqui chamo a atenção também das lideranças religiosas, que tem um papel fundamental de alerta e esclarecimentos de seus membros e se fecham em suas igrejas de forma egoísta. Líderes que se alienam por vontade ou por omissão e não querem discutir o assunto, colocando em risco a própria igreja, pois não preparam os membros para conviver sem se contaminar com essas ideologias farsantes – completa.
Citando dados de uma entrevista feita pelo portal LifeSiteNews ao educador sueco Jonas Himmelstran, autor do livro “Seguindo seu coração: na utopia social da Suécia”, Marisa Lobo afirma que “o currículo nacional da Suécia procura combater os “estereótipos” de gênero, ou seja, os ‘papéis’ atribuídos pela sociedade a cada sexo”.
- A escola “Egalia”, do distrito de Sodermalm, em Estocolmo, evita o uso dos pronomes “ele” (han) ou “ela” (hon) quando se dirige aos mais de trinta meninos e meninas que lá estudam, com idade de um a seis anos. Em vez disso, usa-se a palavra sexualmente neutra “hen”, um termo inventado que não existe em sueco, mas que é amplamente usado por feministas e homossexuais – explica Marisa Lobo, quem completa ainda afirmando que a escola contratou um “pedagogo de gênero” para ajudar os professores a removerem todas as referências masculinas ou femininas na linguagem e no comportamento dos estudantes.
- Os tradicionais livros infantis são substituídos por outros que tratam de duplas homossexuais, mães solteiras, crianças adotadas e ensinam “novas maneiras de brincar”. Jenny Johnsson, uma professora da escola, afirma: “a sociedade espera que as meninas sejam femininas, delicadas e bonitas e que os meninos sejam masculinos, duros e expansivos. Egalia lhes dá uma oportunidade fantástica para que eles sejam qualquer coisa que queiram ser – ressalta a psicóloga.
Afirmando que tal imposição educacional acontece na Suécia sem nenhum controle dos pais, Marisa Lobo afirma que o homossexualismo foi tão amplamente aceito pelos suecos, que “nos livros de educação sexual, eles não falam em alguém ser heterossexual ou homossexual. Tais coisas não existem, pois para eles todos são bissexuais; é apenas uma questão de escolha”.
A psicóloga traça ainda um paralelo entre a forma com que o governo da Suécia aborda a homossexualidade, ressaltando que o país aprovou uma lei de “crimes de ódio” que proíbe críticas à conduta homossexual, com o Brasil, onde afirma sofre acusações por falar contra a chamada ideologia de gênero.
- Aqui no Brasil, estou sendo acusada por um conselho de psicologia por enfrentar esses abusos, a psicologia perdeu a identidade, pois hora diz que não é doença, hora diz que é orientação e agora caminha um retorno à escolha sexual, ou seja, estamos vivendo sob o domínio de profissões que além de não serem científicas, ainda não se entendem ou mudam de ideia sobre a sexualidade a cada falácia, a cada ideologia inventada, neste momento só vejo a pedofilia como próxima luta dessa ideologia de gênero – afirma Marisa Lobo.
Ela concluir citando Johan Lundell, secretário geral do grupo sueco pró-vida, segundo o qual a Suécia quis criar um “socialismo de famílias” por meio de uma “engenharia social”, e afirma que “os frutos são patentes: casamentos em baixa, divórcios em alta, a família assediada e oprimida pelo totalitarismo estatal”.
Por Dan Martins, para o Gospel+

ADHT: Existe uma PETIÇÃO feita pelo IPCO - Instituto Plinio Correa de Oliveira solicitando aos Deputados Federais para não aprovarem este Plano Diabólico que vai desestruturar toda a família Brasileira. É tempo de guerrearmos amigos. Não podemos "engolir" esse lixo de PLano de Educação. Os Comunistas querem a todo custo destruir os principios morais e espirituais dos Brasileiros e implantar o Comunismo no Brasil. VOTE CONTRA. Entre no link: http://www.defesahetero.org/2014/04/urgente-assine-peticao-contra-ideologia.html e VOTE AGORA, POR FAVOR.

URGENTE: Assine PETIÇÃO contra a ideologia de gênero na educação: Votação amanhã!

        URGENTE: Assine contra a ideologia de gênero na educação: Votação amanhã!


IPCO
Prezados Participantes:
O Plano Nacional de Educação (PNE), votado no Senado Federal, agora está na Câmara dos Deputados. Diversos deputados favoráveis à agenda homossexual querem de toda maneira incluir a obrigatoriedade do ensino da ideologia de gênero nas escolas! Clique aqui e envie em poucos instantes seu protesto aos deputados, através do sistema CitizenGO.

No ano passado conseguimos barrar o PLC 122. Vamos fazer nossa parte e barrar mais esse malfadado projeto do lobby homossexual.


Dia 22/4 foi aprovado um “texto-base”, mas questões mais polêmicas serão votadas em destaque. Amanhã (23/4) haverá outra votação. Não deixe de fazer sua parte!

ADHT: Já fizemos nossa parte, ajude assinando a PETIÇÃO contra a aprovação do PNE pois do contrário muitas famílias terão sérios problemas com seus filhos, nas escolas do governo, em breve, que querem aprovar a IDEOLOGIA DO GÊNERO que não distingue homem de mulher e será um estrago a toda Sociedade Brasileira. Não deixe esta lixo prosperar. Escreva para os Deputados Federais pedindo que eles não aprovem este Plano Nacional de Educação. De Educação ele não tem quase nada. Eles querem é implantar ideologias na cabeça de nossas crianças, adolescentes e jovens. AJA URGENTE, VOTE ACIMA E ESCREVA PARA OS DEPUTADOS FEDERAIS DE SEU ESTADO, PELO MENOS. Os emails e telefones deles encontram-se aqui:
http://www.defesahetero.org/2012/07/relacao-de-emails-de-senadores.html


Fonte: www.ipco.org

terça-feira, 22 de abril de 2014

[Vídeo] Cristãos são presos em universidade por distribuírem panfletos dizendo que a homossexualidade é pecado

[Vídeo] Cristãos são presos em universidade por distribuírem panfletos dizendo que a homossexualidade é pecado

Publicado por Tiago Chagas em 21 de abril de 20

[Vídeo] Cristãos são presos em universidade por distribuírem panfletos dizendo que a homossexualidade é pecado
Dois evangelistas foram presos no campus de uma universidade canadense por distribuírem folhetos que pregavam contra a homossexualidade, dizendo que a prática é pecaminosa. Peter LaBarbera e Bill Whatcott  fazem parte de um grupo chamado The Truth About Homosexuality (“A verdade sobre a homossexualidade”, em tradução para o português).

Os cristãos foram abordados por um funcionário da universidade, que pediu que eles se retirassem, pois a instituição tinha regras que proibiam a distribuição de folhetos em suas dependências.
Na conversa, o evangelista Whatcott rebateu o funcionário dizendo que eles estavam exercendo seu direito à liberdade de expressão, e que haviam procurado a universidade para conseguir permissão e foram ignorados.

“Eu não vou sair. Você é o intolerante e deveria ter vergonha de si mesmo por não permitir a nossa mensagem sem sequer pensar nisso”, disse Whatcott. Segundo informações da CBC News, pouco tempo depois vários policiais chegaram ao local e algemaram os evangelistas.

Os representantes da universidade explicaram sua decisão de chamar a Polícia: “Somos um campus diversificado e acolhedor. Nós celebramos a diversidade e nossa equipe sentiu que o material e algumas das coisas que eles tinham eram simplesmente inconsistentes com a política do campus e os pediram para sair”, disse Tom Chase, um dos vice-presidentes da universidade.

VEJA O VÍDEO DA AÇÃO NEFASTA ANTI-DEMOCRÁTICA DA POLÍCIA CANADENSE AQUI:
http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=DIaTG6xRwbI



ADENDO ADHT: Ajudem-nos escrevendo e telefonando para o embaixador do Canadá no Brasil, e bem como escrevendo e telefonando também aos aos Deputados Federais e Senadores  de seu Estado e bem como aos da Frente Parlamentar Evangélica que você poderá encontrar no link: http://www.defesahetero.org/2012/07/relacao-de-emails-de-senadores.html e bem como ao Embaixador Canadense, pelos emails: brsla-cs@international.gc.ca
brsla@international.gc.ca . 

PAIS BRASILEIROS vejam o PERIGO: "O exemplo dos franceses vão para as ruas protestar contra a Ideologia do GÊNERO!"

Posted: 21 Apr 2014 07:21 PM PDT
O exemplo da Suécia
(um país totalmente contaminado pela ideologia de gênero)

O Projeto de Lei 8035/2010, que aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) para o decênio 2011-2020, trazia termos próprios da ideologia de gênero: “igualdade de gênero e de orientação sexual”, “preconceito e discriminação por orientação sexual ou identidade de gênero”. O Senado Federal, porém, em dezembro de 2013, aprovou um substitutivo (PLC 103/2012) que eliminou toda essa linguagem ideológica. De volta à Câmara, o projeto agora enfrenta a fúria dos deputados do PT e seus aliados, que pretendem reintroduzir o “gênero” no PNE, a fim de dar uma base legal à ideologia que o governo já vem ensinando nas escolas. O relator Angelo Vanhoni (PT/PR) emitiu em 09/04/2014 um parecer pela rejeição do inciso III do artigo 2º do Substitutivo do Senado Federal (sem “gênero”) e pelo retorno, em seu lugar, do inciso III do artigo 2º do texto da Câmara dos Deputados (com “gênero”).
Nem todos compreendem a importância e a extensão do problema. A vitória da ideologia de gênero significaria a permissão de toda perversão sexual (incluindo o incesto e a pedofilia), a incriminação de qualquer oposição ao homossexualismo (crime de “homofobia”), a perda do controle dos pais sobre a educação dos filhos, a extinção da família e a transformação da sociedade em uma massa informe, apta a ser dominada por regimes totalitários.
Alguns Bispos já alertaram a população para o perigo: Dom Orani Tempesta, Arcebispo do Rio de Janeiro (RJ), Dom Antonio Carlos Rossi Keller, Bispo de Frederico Westphalen (RS), Dom Antônio Fernando Saburido, Arcebispo de Olinda e Recife (PE), Dom Paulo Mendes Peixoto, Arcebispo de Uberaba (MG), Dom José Benedito Simão, Bispo de Assis (SP) e Dom Fernando Rifan, Bispo da Administração Apostólica São João Maria Vianey.
Se quisermos, porém, ver o que é um país dominado pela ideologia de gênero, basta olharmos para a Suécia.

Pais isolados das crianças
Os dados a seguir foram extraídos de uma entrevista feita em 2011 pelo portal LifeSiteNews a Jonas Himmelstrand, um experiente educador sueco, autor do livro “Seguindo seu coração: na utopia social da Suécia, publicado em 2007 e ainda pendente de tradução.
Na Suécia, as crianças de um ano de idade são enviadas para as creches subsidiadas pelo Estado, onde permanecem desde a manhã até o entardecer. Enquanto isso, os pais ficam trabalhando fora do lar (a fim de arcarem com os elevados impostos cobrados), inclusive a mãe, pois a ideologia de gênero impede a mulher de ficar “trancada em casa e no fogão”, conforme uma expressão sueca. Num país de aproximadamente 100.000 nascimentos anuais, as estatísticas mostram que das crianças suecas entre 18 meses e 5 anos de idade, 92% estão nas creches.
Você não é forçado a fazer isso… propaganda é uma palavra forte”, diz Himmelstrand, “mas as informações sobre os benefícios das creches” vindas dos meios de comunicação e outras fontes “fazem os pais que mantêm seus filhos em casa até os 3 ou 4 anos de idade se sentirem socialmente marginalizados”.
Segundo Himmelstrand, “o problema central do modelo sueco é que ele está financeiramente e culturalmente obrigando os pais e as mães a deixar nas creches seus filhos a partir da idade de um ano, quer eles achem que isso é certo ou não”.

Crianças massificadas nas escolas
O currículo nacional da Suécia procura combater os “estereótipos” de gênero, ou seja, os “papéis” atribuídos pela sociedade a cada sexo. A escola “Egalia”, do distrito de Sodermalm, em Estocolmo, evita o uso dos pronomes “ele” (han) ou “ela” (hon) quando se dirige aos mais de trinta meninos e meninas que lá estudam, com idade de um a seis anos. Em vez disso, usa-se a palavra sexualmente neutra “hen”, um termo inventado que não existe em sueco, mas que é amplamente usado por feministas e homossexuais. A escola contratou um “pedagogo de gênero” para ajudar os professores a removerem todas as referências masculinas ou femininas na linguagem e no comportamento. Os blocos Lego e outros brinquedos de montar são mantidos próximos aos brinquedos de cozinha, a fim de evitar que seja dada qualquer preferência a um “papel” sexual. Os tradicionais livros infantis são substituídos por outros que tratam de duplas homossexuais, mães solteiras, crianças adotadas e ensinam “novas maneiras de brincar”. Jenny Johnsson, uma professora da escola, afirma: “a sociedade espera que as meninas sejam femininas, delicadas e bonitas e que os meninos sejam masculinos, duros e expansivos. Egalia lhes dá uma oportunidade fantástica para que eles sejam qualquer coisa que queiram ser”.

“Educação sexual”
Nas creches e escolas, totalmente fora do controle dos pais, as crianças são submetidas a uma “educação sexual”. Johan Lundell, secretário geral do grupo sueco pró-vida “Ja till Livet” (Sim à vida) explica que se ensina às crianças que tudo que lhes traz prazer é válido. Os professores são orientados a perguntar aos alunos: “o que te excita?”. Segundo Lundell, o homossexualismo foi tão amplamente aceito pelos suecos, que “nos livros de educação sexual, eles não falam em alguém ser heterossexual ou homossexual. Tais coisas não existem, pois para eles todos são bissexuais; é apenas uma questão de escolha”.
Lundell cita uma cartilha publicada por associações homossexuais e impressa com o auxílio financeiro do Estado: “Eles escrevem de maneira positiva sobre todos os tipos de sexualidade, qualquer tipo, mesmo os mais depravados atos sexuais, e essa cartilha entra em todas as escolas”.

Perseguição estatal
Na esteira da ideologia de gênero, a Suécia aprovou uma lei de “crimes de ódio” que proíbe críticas à conduta homossexual. Em julho de 2004, o pastor pentecostal Ake Green foi condenado a um mês de prisão por ter feito um sermão qualificando o homossexualismo como “um tumor canceroso anormal e horrível no corpo da sociedade.
Os pais são proibidos de aplicar qualquer castigo físico aos filhos, mesmo os mais moderados. Em 30 de novembro de 2010, um tribunal de um distrito da Suécia condenou um casal a nove meses de prisão e ao pagamento de uma multa equivalente a R$ 23.800,00. O motivo foi que os pais admitiram que batiam em três de seus quatro filhos como parte normal de seus métodos de educação. Embora os documentos apresentados não relatassem nenhum tipo de abuso e o próprio tribunal admitisse que os pais “tinham um relacionamento de amor e cuidado com seus filhos”, as crianças foram afastadas da família e enviadas para um orfanato estatal.
Em junho de 2009, o governo sueco tomou do casal Christer e Annie Johansson o seu filho Dominic Johansson, depois que a família embarcou em um avião para se mudar para o país de origem de Annie, a Índia. O motivo alegado é que o casal, em vez de enviar seu filho para as escolas estatais, havia resolvido educá-lo em casa, uma prática conhecida como “home scholling” (escola em casa), amplamente praticada nos Estados Unidos e outros países, com excelentes resultados pedagógicos. As autoridades suecas, porém, decidiram remover permanentemente Dominic de seus pais, alegando que o ensino domiciliar não é um meio apropriado para educar uma criança.
Aborto
Entre 2000 e 2010, quando o resto da Europa estava dando sinais de uma redução da taxa anual de abortos, o governo sueco divulgou que a taxa tinha aumentado de 30.980 para 37.693. A proporção de abortos repetitivos cresceu de 38,1% para 40,4%. – o mais alto nível já atingido – enquanto o número de mulheres que tinha ao menos quatro abortos prévios cresceu de 521 para aproximadamente 750. A Suécia é o único país da Europa em que o aborto é permitido por simples pedido da gestante até 18 semanas de gestação. Menores de idade podem fazer aborto sem o consentimento dos pais e os médicos não têm direito à objeção de consciência.

Decadência social
Segundo Himmelstrand, tudo na Suécia dá sinais de decadência: adultos com problemas de saúde relacionados com “stress”, jovens com declínio na saúde psicológica e nos resultados escolares, grande número de pessoas com licença médica e a incapacidade dos pais de se conectarem com seus filhos.
Para Lundell, a Suécia quis criar um “socialismo de famílias” por meio de uma “engenharia social”. Os frutos são patentes: casamentos em baixa, divórcios em alta, a família assediada e oprimida pelo totalitarismo estatal.
Convém olhar para o exemplo sueco antes de se votar a reintrodução da ideologia de gênero no PNE. É a própria família brasileira que está em perigo.

Ligue para o Disque Câmara 0800 619 619 – Tecle “9”
Desejo enviar uma mensagem aos membros da Comissão que votará o Plano Nacional de Educação (PL 8035/2010).
Solicito a Vossa Excelência que vote pela rejeição do parecer do relator e pelo retorno ao substitutivo do Senado, que elimina do texto a ideologia de gênero. A família brasileira agradece.

Anápolis, 21 de abril de 2014
Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz
Presidente do Pró-Vida de Anápolis

Reflexões sobre a ‘ideologia de gênero’, 25 mar. 2014, em http://arqrio.org/formacao/detalhes/386/reflexoes-sobre-a-ideologia-de-genero.

segunda-feira, 21 de abril de 2014

ESTEJAM ESPERTOS...MAIS UM EVANGÉLICO MARXISTA APOIADO POR LULA...Não vote nesses falsos evangélicos!

Cai a Farsa Eleitoral 2014: As Falsas Profecias do Pastor Everaldo Dias Pereira
March 27, 2014
Por Douglas Cavalheiro

Após quase 20 anos do vazio de representações políticas de direita, liberais ou conservadores, estamos presenciando uma nova fase dessa crise nesse atual processo eleitoral: o oportunismo. Depois das destacadas indignações populares pela falta de representação legítima da direta, não vão faltar o surgimento de antigos políticos de carreira plenamente esquerdista, que sem fazer nenhum mea culpa pelo caos causado no país, advogaram as bandeiras conservadoras e liberais da maneira mais cínica, como se jamais tivesse feito mal nenhum ao país com seus patrocínios as correntes da esquerda revolucionária. O primeiro caso que pretendemos desmascarar é o atual pré-candidato a presidência do Brasil: O Pastor Everaldo Dias Ferreira, do Partido Social Cristão (PSC).

Profissão: Carreirismo político profissional

Pouco se tem sobre as realizações profissionais do Pastor Everaldo. Apesar de formando em ciências atuarias. Nada existe em seu curriculum vitae sobre as iniciativas no mercado ou no empreendedorismo, bandeiras ideológicas que atualmente se diz defensor. O que se tem uma notícia sobre sua carreira, além de pastor, é a política. Nesse campo se tem uma atuação quase de um profissional revolucionário. Pastor Everaldo começo como cabo eleitoral do socialismo nacionalista de Leonel Brizola do PDT nas eleições para governador do Rio de Janeiro de 1982 do Rio de Janeiro. Como muitos seguidores das correntes pentecostais da década de oitenta, ele aderiu ao socialismo, literalmente, de corpo e alma. Trabalhou para campanha de Lula, organizando o seu último comício no Rio de Janeiro em 1989. Pastor Everaldo esteve próximo da corrente protestante assim como Anthony Garotinho, que foi eleito governador do Rio de Janeiro em 1999 com a coligação do PT, PDT, PCdoB e PSB. Porém, incomodados com a linha do ateísmo materialista de Brizola, a corrente dos protestantes rompe a partir de 2000, indo integrar as demais legendas socialistas que possuíam maior acolhimento aos protestantes, devido a histórica adesão ligação com teologia da libertação os partidos como: o PSB foi destino de Garotinho, e o PT foi destino do Everaldo. Ele passou a integrar o governo do Estado de Benedita da Silva (PT) quando ela foi governadora do Rio de Janeiro, fazendo parte do seu gabinete civil.

Escândalos do Cheque-Cidadão

Em uma entrevista para Band News, em janeiro de 2014, Pastor Everaldo se diz um dos mentores do “bolsa família”. Isso remonta sua época quando ainda trabalhava junto o PT. Distribuindo cheques-cidadãos, ele foi acusado de fazer tráfico de influência com uso do dinheiro público. Essa crítica foi proveniente pelo seu antigo mentor: Brizola.

Lulista? Sim! Dilmista? Talvez...

Outro comentário, na mesma entrevista, Pastor Everaldo foi a nota 9 que ele deu para Lula (talvez lhe faltasse um dedo para dar uma nota maior). Limitando-se apenas a criticar a atual presidente Dilma. Porém qual seria a real causa do seu rompimento com o Partido dos Trabalhadores?

Nas eleições de 1994 e 1998, o PSC lançou candidato próprio sem êxito. Porém, apoiou o PT desde sua eleição em 2002. Contudo, em 2010, ameaçou apoiar Serra, recebeu um valor de 4,7 milhões de reais, dessa forma, o PSC foi literalmente comprado pelo PT, passando a apoiar a Dilma. Todavia, o partido esperava mais com o acordo. Com o crescimento da legenda nas eleições de 2010 o partido desejava compor a base dos ministérios. Porém, o PT sempre teve maior proximidade com os neopentecostais, principalmente com a teologia da prosperidade da Igreja Universal, que é representada pelo PRB. Durante o governo Lula a legenda tinha a vice-presidência com Jose Alencar. Com Dilma, esse espaço foi retomado pelo PMDB, em março de 2011 o PRB foi contemplado com Ministério da Pesca e da Aquicultura com senador Marcelo Crivella. O PRB é um partido minoritário, e de menor força que o PSC. A administração do partido interpretou isso como uma traição, e inicio o desejo de lançar um candidato próprio para as próximas eleições presidenciais, passando a pensar numa estratégia para possivelmente lançar uma candidatura a presidente. Talvez por isso na avaliação do Pastor Everaldo o governo Dilma encontre-se com a nota 4.

PSC abraça o PseudoB

Em 2012 nas eleições municipais o Pastor Everaldo apoiou a candidata do PCdoB Manuela D'Avila em Porto Alegre, em favor de acordo com apoio para campanha de Ratinho Jr (PSC), em Curitiba. Tony Reis, líder LGBT Nacional, apoiou a candidatura do filho do Ratinho. Essa aliança PCdoB, PT e PSC se efetivou em algumas outras cidades. Em fevereiro de 2013, na Bahia, a Tribuna da Bahia noticiou a dificuldade de Jacques Wagner (PT) de obter o apoio dos socialistas cristãos do PSC, porém, louvou o feito conquistado pelo governador da Bahia Mas, tudo parecia mais apaziguado, principalmente com a negociação do PT com o PSC para ocupar a Comissão de Direitos Humanos em 2013, que foi ocupada pelo então desconhecido, pastor Marco Feliciano.

Dormiu Socialista Cristão, acordou Conservador-Liberal Cristão

Com os holofotes virados para Marco Feliciano, em março do mesmo ano, logo após as explosões, o Pastor Everaldo novamente não perdeu a chance de aparecer, tornou-se pré candidato a presidente em maio de 2013. Em novembro do mesmo ano de campanha fora de época,  o pastor aparece na Folha de São Paulo, já como “conservador” e em março de 2014 na Caros Amigos (onde talvez ele ainda tenha alguns amigos), como um reacionário.

CONSIDERAÇÕES

Por toda sua carreira, o Pastor Everaldo esteve ligado com as esquerdas, PCdoB, PDT, PSB. Todos partidos abortistas, feministas que são favoráveis ao casamento gay, e contra os direitos da propriedade individual. Porém, em apenas 9 meses, ele teve a capacidade majestosa de torna-se um fiel reacionário, defensor da livre iniciativa da família, esquecendo de todo seu passado. Toda essa bandeira foi notíciada, de início, pela mídia progressista, o que levanta mais suspeitas para candidatura do pastor. Everaldo conta com apoio em peso da Assembleia de Deus, e por meio disso, já realiza campanha presidencial fora de época. 

Por isso é necessário todos estarmos atentos ao oportunismo, ou até mesmo, estrategia da esquerda de dividir o público da direita, retirando deles o apoio militânte protestante, tão importante para o quase fracasso de Dilma em 2010, e das conturbadas ações sobre a PL-122 e o fator Marco Feliciano. Para o Pastor Everaldo, Feliciano, seu colega de partido, não foi perseguido, ele ameniza com um eufemismo "ele foi mal interpretado". Nem para defender os seus colega de base Everaldo não tem coragem. Quando perguntado se é de direita, conservador, ele titubeia, "não sei... se você classifica o que eu pensa como conservador... tudo bem." A nota alta 9 vai para seu, ainda, grande ídolo, o X-9, Lula.

domingo, 20 de abril de 2014

NÃO SE CONTAMINE, NÃO VÁ AO "Congresso Internacional da Teologia da Missão Integral da IPB"

1 de abril de 2014


Congresso Internacional da Teologia da Missão Integral e a IPB


Congresso Internacional da Teologia da Missão Integral e a IPB

A IPB deveria ser omissa com seus líderes que promovem o liberalismo teológico?

Julio Severo
Sob a coordenação do Rev. Jorge Henrique Barro, será realizado o Congresso Internacional de Missão Integral, de 8 a 10 de agosto de 2014, na Faculdade Teológica Sul Americana em Londrina no Paraná.
De forma diferente do que vem ocorrendo nos últimos meses, em que grandes congressos da Teologia da Missão Integral destacam um dos seus mais proeminentes “apóstolos” nacionais, o evento internacional trará um dos dinossauros dessa teologia liberal: o Rev. C. René Padilla.
Padilla, que foi um dos pioneiros da Teologia da Missão Integral (TMI) na América Latina, enfrentou oposição logo no início, na década de 1960, quando sua teologia foi identificada como o que é: marxista.
Dois dos proeminentes apóstolos da TMI no Brasil, Ed Rene Kivitz e Ricardo Gondim, reconhecem que os esforços de TMI de Padilla e outros no Congresso Lausanne de Evangelização Mundial e no Congresso Latino-Americano de Evangelização foram obstruídos por Peter Wagner e outros.
Gondim também se queixa repetidamente de que a Teologia da Missão Integral teve seu avanço detido por conservadores no Congresso Lausanne de Evangelização Mundial (Manila, 1989). Ed Rene Kivitz, companheiro teológico de Gondim, já havia apontado Peter Wagner como líder da oposição conservadora. A atuação de Wagner, hoje líder do movimento apostólico mundial, exemplifica o potencial neopentecostal para deter o avanço esquerdista nas igrejas. Na dissertação de Gondim (p. 53), o erro de Wagner era “propor guerra espiritual como solução para os problemas sociais” — uma solução tipicamente neopentecostal, em contraste com a solução esquerdista de revoluções políticas.
Ecoando queixa do Rev. Luiz Longuini, da IPB, Gondim afirma que Peter Wagner já vinha frustrando os progressistas há anos. Em 1969, ao participar do CLADE (Congresso Latino-Americano de Evangelização), Wagner distribuiu seu livro que afirmava que a missão da igreja é priorizar a salvação pessoal e destacava a teologia esquerdista como perniciosa (p. 105).
A salvação, em seu termo original, inclui o resgate espiritual e também emocional e físico. Os progressistas interpretam essa amplitude da salvação como pretexto para intervenções políticas, como se o Reino de Deus fosse apenas “comida, bebida” (Romanos 14:17) e assistência social do governo. Em contraste, Wagner interpretava que a igreja deve pregar e demonstrar o Evangelho do Reino de Deus, inclusive utilizando a autoridade de Jesus para curar enfermos e expulsar demônios. É uma demonstração em sintonia com os milagres que seguem os que creem (Marcos 16:16). Mas a demonstração do evangelho, para os progressistas, se limita apenas à ação social muitas vezes em parceria com políticas e governos socialistas. Nada mais.
Qualquer rejeição a esse tipo de ação social como intrinsecamente unido ao Evangelho recebe o rótulo de “fundamentalismo”. Na dissertação de Gondim, nem Billy Graham escapa desse rótulo, porque o mais famoso evangelista do mundo se recusava a dar apoio e dinheiro para os grupos evangélicos progressistas da América Latina. A recusa de Graham lhe deu uma imagem negativa entre os adeptos da Teologia da Missão Integral. Em contraste, Gondim não poupa elogios à Teologia da Libertação e ao Evangelho Social dos EUA e reconhece que o maior obstáculo para o avanço da Teologia da Missão Integral foi “um fenômeno religioso com grande apelo popular, o neopentecostalismo” (p. 135).
De acordo com apuração do meu livro, simultaneamente a promoção da TMI e o combate ao neopentecostalismo tem origem principal entre setores calvinistas radicais. Esse grave problema foi detalhadamente identificado em meu artigo recente “A maior ameaça à Igreja Evangélica do Brasil.”
Jorge Henrique Barro, pastor da IPB
O Rev. Jorge Henrique Barro, pastor da IPB (Igreja Presbiteriana do Brasil) e principal responsável pelo Congresso Internacional de Missão Integral, é vice-presidente da Fraternidade Teológica Latino Americana, onde Padilla e sua teologia marxista têm enorme influência. Além disso, Barro é um dos fundadores da Faculdade Teológica Sul Americana de Londrina, onde será realizado o Congresso Internacional de Missão Integral.
Barro é autor do livro “Uma igreja sem propósitos,” que, segundo o GospelMais, recebeu elogios de Ricardo Gondim e Júlio Paulo Tavarez Zabatiero.
Gondim é antigo “apóstolo” da TMI e se tornou tão radical que perdeu sua posição de colunista na revista esquerdista Ultimato. Ele se tornou avançado demais, com seu apoio ao “casamento” gay, para seus companheiros de caminhada esquerdista. Zabatiero é companheiro de Padilla e ligado à Fraternidade Teológica Latino-Americana.
Zabatiero é muitas vezes identificado erroneamente como defensor da TMI, mas suas ligações reais são com a tropa de choque da marxista Teologia da Libertação. Em 1996, ele publicou seu livro “Miquéias: voz dos sem-terra,” lançado conjuntamente pela Editora Vozes e pela Editora Sinodal.
A Editora Vozes, que é católica, já teve, de 1970 a 1985, Leonardo Boff como membro do conselho editorial. No período, Boff publicou obras da Teologia da Libertação e seus próprios livros sobre essa teologia marxista saíram pela Vozes. Hoje, Boff é professor visitante de Harvard, que outrora era uma universidade que formava pastores calvinistas, e agora promove a Teologia da Libertação e muitas outras apostasias. (Suspeito que se Harvard tivesse sido originalmente neopentecostal, a esquerda apologética calvinista não perderia a oportunidade de usar esse detalhe em seu arsenal antineopentecostal.)
A Editora Sinodal pertence à Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), denominação liberal que tem laços estreitos com o Conselho Mundial de Igrejas. A Sinodal publica vários livros sobre a Teologia da Libertação, inclusive “Perspectivas da teologia da libertação: impasses e novos rumos num contexto de globalização,” cujo autor é Walter Altmann, que já foi presidente da IECLB e é hoje moderador do Conselho Mundial de Igrejas.
Pelo menos, diferente de muitos líderes que abraçam a TMI fingindo que é melhor do que a Teologia da Libertação, Altmann abraça a raiz do mal, conforme denunciou o Dr. Mark Tooley em seu artigo “Ressuscitando a Teologia da Libertação.” Como líder luterano ecumênico internacional, Altmann não tem medo de promover abertamente a Teologia da Libertação. Os mais medrosos, ou cínicos ou cegos, promovem a TMI.
A Fraternidade Teológica Latino-Americana (FTL) tem laços estreitos com a liberal IECLB. Dois anos atrás, a FTL realizou, no acampamento da Mocidade para Cristo nos arredores de Belo Horizonte, um encontro nacional com 100 participantes. O encontro teve palestrantes de longa caminhada na FTL, como Ariovaldo Ramos, Julio Zabatiero, Ricardo Barbosa e Jorge Henrique Barro, todos presbiterianos, com exceção de Ariovaldo, que, embora não seja presbiteriano declarado, tem uma história muito ligada a eles.
Ariovaldo e sua TMI têm tido portas abertas em grandes igrejas da IPB, inclusive dando aulas, desde a gestão do chanceler Augustus Nicodemus, na sua maior instituição, a Universidade Presbiteriana Mackenzie, talvez porque seu maior mentor e pai espiritual tivesse sido Caio Fábio, nos tempos em que ele era a maior estrela da IPB. (Para ver foto de Ariovaldo no Mackenzie, consulte este link: http://archive.is/bZa1X)
Caio era o maior propagador da ideologia da TMI, na sua teoria e prática, dentro e fora da IPB. Na teoria: uma pregação matreira a favor dos pobres. Na prática: aproximação dos evangélicos de Lula e seu esquerdismo mediante o discurso de ajuda aos pobres. Resultado: Brasil evangélico embarcado no furacão socialista.
Caio deixou como seu sucessor Ariovaldo, seu “filho” quase presbiteriano. Na teoria, Ariovaldo tem semelhante discurso meloso de ajuda aos pobres. Na prática, esforços de aliança com a esquerda, sempre apoiando Lula, Dilma Rousseff e Hugo Chávez, chegando ao ponto absurdo de dizer que porque o ditador venezuelano passou por aqui, o mundo ficou melhor.
A teoria e prática da TMI, como exemplificada por Ariovaldo, é uma versão mal disfarçada da maligna Teologia da Libertação de Walter Altmann e outros.
É cercado de pastores da IPB dedicados à TMI, inclusive o Rev. Luiz Longuini, que o Rev. Jorge Henrique Barro faz exatamente o que eles fazem. A promoção da TMI na IPB tem ocorrido há décadas, conforme denuncia meu livro “Teologia da Libertação X Teologia da Prosperidade.” Já na década de 1950, um missionário presbiteriano americano, que dava aulas de teologia no maior seminário teológico da IPB, infectou toda uma geração de pastores presbiterianos. Eventualmente, ele foi removido de suas funções, depois de ter passado quase uma década inteira contaminando estudantes de teologia (que depois se tornaram pastores e teólogos presbiterianos) com a TMI. Tudo isso e muito mais está registrado no meu livro.
Há também o caso escandaloso da Ultimato, revista da linha da TMI há décadas promovida entre igrejas da IPB como forma de combater o neopentecostalismo — e ao mesmo tempo avançar a ideologia da TMI.
O questionamento natural é: se a TMI tem um histórico tão antigo e profundo na IPB, por que a IPB não assume sua responsabilidade moral nesse grave problema nacional e adota medidas vigorosas para extirpar o câncer desse liberalismo teológico de seu meio?
É tão difícil assim para a IPB ver o futuro de uma igreja embriagada de TMI? Para alegria parcial dos calvinistas cessacionistas, não é preciso ter grandes dons de profecia para enxergar o futuro de uma igreja que se prostitui com liberalismo e esquerdismo. A maior denominação presbiteriana (PCUSA) do mundo, depois de décadas se embriagando de esquerdismo e liberalismo, hoje ordena pastores gays, promove o ‘casamento’ gay, apoia o aborto e faz boicotes contra Israel. Virou uma grande prostituta.
Já que o liberalismo teológico é um problema grave nos meios presbiterianos, por que a IPB não adota a vanguarda da luta contra a TMI? Afinal, muitos teólogos e pastores da IPB têm adotado uma vanguarda contra o neopentecostalismo, sendo que esse movimento é considerado, por todos os “apóstolos” da TMI, com o principal obstáculo para o grave liberalismo teológico que a TMI representa.
Tudo o que o meio calvinista tem conseguido esboçar contra a TMI são arrotos vagos. A Universidade Presbiteriana Mackenzie, que é a coroa da IPB, tenta aparentar um conservadorismo e contrariedade ao liberalismo teológico, mas na prática, seu espaço está muito bem ocupado pela TMI, conforme denúncias públicas:
Outros calvinistas, amigos do Mackenzie, não conseguem se sair melhor na “luta” contra a TMI. Recentemente, Renato Vargens, que é pastor calvinista no reduto calvinista de Niterói, “criticou” a TMI, sem dar nomes a nenhum dos bois e vacas. O título de seu ataque é: “Uma pequena nota sobre a Teologia da Missão Integral.” Ora, uma nota já é pequena. Adicionar “pequena” só reduz o que já é pequeno. Para quem, como Vargens, tem o hábito (sempre em textos, nunca em notinhas) de criticar, condenar e atacar de forma sistemática e regular o neopentecostalismo, sua notinha mostra que se a TMI é um grande câncer de liberalismo teológico entre calvinistas, ele usará uma aspirina para fazer o “combate”! É só usará uma ou duas vezes!
Já no caso do neopentecostalismo, que é visto pelas esquerdas seculares e evangélicas como a principal resistência à expansão das metas socialistas na sociedade brasileira, nada de ataque de aspirina. O ataque tem de ser com ferro e fogo, todo dia, toda semana, todo ano.
Só citei Vargens porque ele é considerado referência teológica indiscutível entre certos teólogos da IPB, inclusive Augustus Nicodemus.
Mas a maior referência teológica da IPB ainda está para nascer: será um homem que ataque o liberalismo teológico da TMI com ferro e fogo, todo dia, toda semana, todo ano. Será um homem de coragem que exortará as igrejas da IPB a cancelarem suas assinaturas coletivas da Ultimato e, em vez disso, usarem suas escolas dominicais para desfazerem décadas de lavagem cerebral da TMI.
Corajoso não é o teólogo que incha o peito para atacar os costumes do vizinho (no caso, o neopentecostalismo dos neopentecostais). Corajoso é o pastor da IPB que, dentro de seu próprio quintal, chega até Longuini, Barro e outros reverendos e diz: “Por que você está promovendo o liberalismo teológico da TMI no nosso meio? Você não sabe que isso é pecado? Você não vê que a maior denominação presbiteriana (PCUSA) do mundo, depois de se tornar amante do esquerdismo, agora ordena pastores gays, promove o ‘casamento’ gay, apoia o aborto e faz boicotes contra Israel? Abraçar o esquerdismo dentro da igreja é abraçar a apostasia. Tire isso do seu meio ou saia do nosso meio!”
O problema da infiltração esquerdista nos meios presbiterianos é antigo.
De acordo com um amigo presbiteriano, antes de 1964 a biblioteca do Seminário Presbiteriano do Norte, em Recife, se tornara praticamente um centro de documentação marxista. Quando veio a revolução anticomunista, um policial que era presbiteriano foi correndo ao seminário para avisá-los de que o exército estava a caminho. Houve então uma correria tremenda de alunos e professores jogando os livros marxistas no rio Capibaribe, que corre em frente ao seminário, e assim se safaram de alguma medida de repressão dos militares.
Meu amigo diz que em 1962 ele participou de um seminário de evangélico marxistas ocorrido no Colégio Presbiteriano Agnes Erskine em Recife. O seminário foi conduzido por comunistas (tanto presbiterianos quanto não evangélicos). O diretor do colégio, que foi o primeiro brasileiro a ocupar tal posição, fora professor do Colégio Presbiteriano Quinze de Novembro, cujo irmão era líder comunista.
Quando ocorreu a Revolução de 1964, uma filha desse professor se auto exilou em Genebra, a capital mundial do calvinismo, onde encontrou um ambiente claramente marxista entre os calvinistas suíços e todo um grupo de evangélicos marxistas vindos do Brasil e de outros países latino-americanos para se refugiarem. De acordo com meu amigo presbiteriano, durante o governo militar do Brasil Genebra tornara-se um grande centro de evangélicos marxistas.
A ameaça marxista continua presente, nos mesmos meios, embora mais sutil e cínica, conforme denunciei no meu artigo: “A maior ameaça à Igreja Evangélica do Brasil.”
 Os teólogos da IPB precisam parar de combater o liberalismo teológico com aspirina e lencinho, pois o problema é grave e merece muito mais do que notinhas. Depois de ser embalada durante décadas na IPB, a TMI está se espalhando no Brasil inteiro, conforme as denúncias dos últimos meses:
É hora da IPB colocar a aspirina e o lencinho de lado e armar-se de canhão de cano grosso para combater o liberalismo teológico com ferro e fogo, todo dia, toda semana, todo ano.
Leitura recomendada:
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...